Maison

Scotland Road Trip: That time we went to Hogwarts.

É em Glasgow que começa oficialmente uma história de amor de 9 dias pela Escócia. Uma história de amor eterna, arrisco dizer. Mas comecemos do início.

Visitar a Escócia era um sonho antigo. Antigo e distante. O ano passado alguém do meu grupo de amigos disse: “Vamos fazer uma roadtrip pela Escócia para o ano!” Foi uma espera longa de vários meses mas traçamos a viagem mais incrível de todas, que agora vos quero contar. 

Gasglow

O plano começou em Manchester. Os voos para a Escócia ainda são caros pois não existem companhias low cost e Manchester dava-nos alguma margem. De Lisboa fomos pela TAP [48,95€] e para Lisboa viemos pela Ryanair [36,62€].

Diretamente no aeroporto, e já reservada a partir de Portugal pela Rentalcars.com, estava a nossa carrinha de 9 lugares. Como éramos sete, foi perfeito para fazermos uma viagem super confortável sem estarmos uns em cima dos outros. A carrinha custou-nos 678,64€ + o seguro contra todos que fizemos no local e que valeu muito a pena [conto-vos porquê mais à frente]. O preço do seguro foi cerca de 200£.

Em 3h30 chegámos a Glasgow, a nossa primeira paragem na Escócia. Por mais que a capital seja Edimburgo, Glasgow é a maior cidade escocesa e a terceira maior do Reino Unido.

Gasglow4

Campos verdes de perder de vista, casas rústicas inglesas, cercas em madeira que delimitavam a pastagem de vacas – também elas aqui bastante felizes-, palacetes e castelos em ruínas estendiam-se à nossa passagem. Até o facto de se conduzir à direita e circular na faixa da esquerda se tornou fácil. Pelo menos para mim, que não ia a conduzir [risos]. A ótima condição das estradas também ajuda e o facto de não haver uma única portagem na Escócia também … à carteira. Nota: Em todas as bombas de gasolina onde parei existiam sempre wc’s lavadinhos, com papel, em excelentes condições e com água quente para lavar as mãos. Agora pensem.

Chegámos ao The SandyFord Lodge por volta das 16h00 e não podíamos ter ficado melhor hospedados e localizados. Ficámos num bairro relativamente calmo – não podendo dizer propriamente que Glasgow é uma cidade calma – e a estadia de uma noite ficou a 7 pessoas por £288. Aqui, como em quase todos os locais, ficámos em 2 quartos de 3 e 4 pessoas.

Gasglow8

Como tínhamos apenas meio dia para aproveitar fomos directos ao nosso primeiro ponto turístico da viagem: A Universidade de Glasgow. Não se consegue confirmar, ao certo, se a escritora J.K. Rowling se inspirou nesta universidade para criar Hogwarts mas confirma-se que os filmes de Harry Potter não foram aqui filmados. Como não? Os claustros, as fachadas, o jardim, a árvore centenária no largo da Universidade … Hogwarts só pode ser aqui.

Curiosidade para os fãs:  Os rumores dizem que quando o primeiro filme de Harry Potter ia começar a ser gravado, os produtores entraram em contacto com a Universidade para gravarem aqui várias cenas. Por alguma razão, que é desconhecida, a Universidade de Glasgow recusou.

Gasglow11

fixedw_large_4xphoto by Jeff Whyte

Gasglow7

Descobri agora, enquanto escrevia este artigo, que mesmo a poucos metros da Universidade existe a Ashton Lane, uma pequena rua repleta de luzinhas e recantos que esconde os pubs e cafés mais queridos. Confirma-se sim, que foi na Ashton Lane que a autora de Harry Potter se inspirou para criar a Diagon Alley. Não é incrível?

Quem for a Glasgow nos próximos tempos faça aqui uma visita por mim, há-de valer a pena, principalmente para os fãs da história.

Gasglow6

Gasglow9

Perto ainda da Universidade tentem passar pelo Kelvingrove Park. Se estiver sol como naquele dia vão poder aprender como se faz um piquenique a sério com direito a churrasco feito numa embalagem de alumínio e ver uma multidão a ‘lagartar’ ao sol. A verdade é essa, ninguém aproveita melhor o sol do que aqueles que pouco o vêem. E nós fomos uns sortudos com o tempo. Se estiveres numa onda mais cultural, não percas o Kelvingrove Art Gallery and Museum. Um dos mais procurados pontos turísticos da cidade e de entrada livre. 

Seguidamente, descemos tudo até ao centro em busca das principais ruas: George Square [onde fica a Câmara Municipal e o Jamie’s Italian do chef Jamie Oliver], Buchanan Street [onde ficam as lojas mais caras], Argyle Street e Sauchiehall Street [onde ficam as lojas mais em conta] e a Merchant City [área totalmente reformada do Centro e hoje uma das mais caras]. Para os amantes de arte, vale a pena passarem ainda pelo GoMa, vão surpreender-se logo à porta.

Gasglow10

Glasgow é conhecida há algumas décadas pela sua decadência e violência. Mas isso ficou lá atrás. Será?

À noite, a conversa é outra [está tudo no vlog que também vai sair em breve]. Apesar de ter anoitecido às 22h00 – sim, é verdade – às 18h00 já se começam a ver os pubs e restaurantes cheios. E não há como negar, elas em Glasgow dão tudo. A noite arrefece, as saias e os decotes diminuem e os saltos, mesmo que não consigam andar com eles, são os mais altos e mais aguçados possível. O que lhes gabei e muito: a maquilhagem exímia. Seriam todas maquilhadoras profissionais?

Para jantar, a nossa opção foi o Buck’s Bar, especialista em asinhas de frango bem temperadas e com opções vegetarianas. O melhor: a música ao vivo e o espaço amplo.

Gasglow12

E por falar em decadência e violência, no nosso bairro supostamente calmo, riscaram-nos a carrinha de uma ponta a outra. Estão a ver como o seguro fez jeito?

Amanhã, seguimos para Edimburgo. 

Post a Comment